De uma conversinha no 14 de abril

No último 14 de abril, dia que orgulhosamente apresento o dia internacional do café, me propus a fazer coisinhas diferentes do que corriqueiramente faço. Normalmente nesse dia acordava com um cheiro de mãinha e padrasto, dava uma choradinha básica porque sou dessas, e ia trabalhar, ganhar abracinhos, voltar para casa febril e responder mensagens. Vez ou outra tinha comemoração, mas era coisa rara, porque queria ficar introspectiva mesmo.  Agora não mais. A começar pelo badalado Facebook que desde o dia que refiz o poupei de informações diretas, o que incluiu a bendita data do nascimento da cafezeira aqui.

Não sei se já mencionei aqui, mas costumo gostar de coisas incomuns, e questionar as comuns, mesmo que não as exponha. “Por que todo mundo faz isso?”, é frase corriqueira na minha cuca, bem como “o que me motiva a fazer isso?”. Daí, Facebook foi o objeto de estudo a começar pela chance que me deu de mudar: “mostre para seus amigos que seu aniversário está chegando”, e eu nem liguei muito. Ao contrário do que possa parecer, o dia que registraram que nasci é um dia especialíssimo pra mim. Só pra não soar tão indiferente, achei por bem ressaltar isso. 

Já tinha exposto em oração e comentado com mãinha que um Acampamento seria muito bem vindo, e no 14 de abril de 2017 acordei sem cheirinho de mãe, porque estava acampando. Aliás, não é de agora que me desafio a desapegar do cordãzinho umbilical. O desafio novo seria tão somente não sinalizar. Deixar ir, até porque provavelmente eu não teria tempo de responder as pessoas com um feedback merecido.

Quando conversei com meus amigos sobre isso. Lá no acampamento mesmo, um deles perguntou: “Tu queria testar teus amigos?”. Respondi: “Nada… Queria me testar. Qual minha necessidade em receber parabéns de pessoas que são notificadas por uma rede social, e muita das vezes com a intenção de serem lembradas no ‘dia delas’? Qual a minha necessidade em me sentir bem quista por pessoas que sequer compõem meu cotidiano? Qual a minha necessidade, afinal? Se bato na tecla que sou amada por quem me ama com amor incondicional? Quero testar é a minha segurança mesmo. E mais! Qual o sentido de falar em glória a Deus a cada elogio e pensar que tem um dia que o sol gira em torno de mim?” Ok, essa última realmente me pareceu radical, mas foi o que pensei.

Apesar de não ser tão radical assim na realidade e de gostar de quaisquer agrados, o que ainda comentei com eles foi, “se receber afeto no nosso suposto dia é tão bom, por que não todo dia? As comemorações devem ser diárias, muito embora a rotina nos canse”. Sou da turma do externar o quanto gostamos de outrem aqui e agora. E as mensagens que surgiram foram muito voluntárias, respondidas calmamente, num intervalo de um acampamento que em oração verbalizaram assim: “faz-nos, Senhor, entender o quanto somos amados por Ti”. E eu completava pensando “e o quanto isso é o bastante”.

Foi mais um passinho de tantos desprendimentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s