Aula Especial

Amanhã é dia de dar a melhor aula da vida! Compartilhei outro dia no Instagram, e já falei aqui algumas vezes que a escolha do meu curso foi intencional. Digo no sentido de saber que terei a parte enfocada em linguagem, e saber que tenho uma parte bem didática.

Pensando nisso, assim que retornei a minha igreja, pensei em como trabalhar por lá. E notei a necessidade de uma professora na classe Efraim, que pela quantidade, acaba que é multiseriada  e um tanto difícil para nós, professores.

Chegou 2018, o tempo de assumir a responsa e de ver o material que usaríamos da Editora Batista Regular.

Olhando direitinho, achei estranho o fato de ter aulas, aos meus olhos, cronologicamente desordenadas, mas procurarei sempre lincar; dar meus arranjos com o que dispuser.  Mas amanhã, em especial, teremos a aula “Cristo Morreu Por Mim”, que é a que considero de suma importância.

Bate sempre um medo na hora de planejar, pois me lembro da frase do Paul Washer mencionando a vulnerabilidade das nossas crianças num mundo que bombardeira tanto com munições que vão de encontro à Bíblia, ao passo que na EBD há uma pintura da Arca de Noé. Sério, eu parafraseei, mas mexe muito comigo.

Contudo, penso no lúdico como melhor linguagem para as crianças e me exijo menos quando penso no material disponível e idade também. Afinal os meus são os menores dos menores, que sequer ler sabem. Logo, há essa consideração, sem deixar a extrema importância de uma sala que fala nada mais nada menos que do Nosso Senhor!

Então, amanhã, com a permissão dEle, falarei de sua morte para aqueles pequeninos. Também preciso ler o Livro da Francine do Graça em Flor, que me ajudará muito, certamente. Só preciso orar para que eles estejam bem atentos e sensíveis para ouvir a melhor mensagem da vida!

Depois compartilho mais essa experiência ❤

Gama no Café: Enjoei

IMG_9940.JPG

O post de hoje foi, na verdade, quando pensei “vou efetivar a categoria do café”, e Marília e Dudu foram fundamentais para a primeira invenção além-casa-de-amigos-e-familiares.

O destino foi Dragão do Mar. Santa Clara, cafeteria, pra ser mais precisa. Dos pontos negativos consigo enxergar o fato de irmos num sábado de férias, e ser ruim tanto pra estacionar, quanto pra conseguir mesa. Na cafeteria tava lotação mesmo.

O que a gente faz? Tenta dar uma voltinha, enquanto os primos clicam aqui ali, tenta trocar uma ideia com os baristas e namorando com seus feitos. Aliás, quem quiser patrocinar meu curso, eu tô topando! Acho muito legal o trabalho deles. E, nesse meio tempo, porque não “otimizá-lo”, aproveitando pra conhecer e gamar um pouquinho mais no espaço? Dudu fez igual e correu pra ver exposições. Eu fiquei só com a Marillinha fotógrafa mesmo.

Quando eu pegava a cam, era pra poder clicar o local, e as gostosuras do local que me enchem os olhos. Doida pra que alguém comesse logo e liberasse mesa. Tava bem cheio 😦

Finalmente liberaram espaço, mas foi bom que deu pra curtir detalhes que não teríamos curtido, caso tivéssemos ido direto a uma mesa (Lado bom sempre). Não fui muito feliz na escolha. Digo logo! Amo café e amo cremes de avelã. Todavia, sou enjoada e o meu veio beeeem recheado. Nunca tinha me descoberto tão “oião” maior que o bucho do que nesse dia. Ai comi o creme, e enjoei e não desceu o café todo. Não sei o que houve ao certo nesse dia. rs Já falei que não sou viciada em café, gosto, mas nada de vício. Hoje afirmo que não sou tão gamada assim no misto de café com doce demasiado. Fim.

O cardápio é bem diverso, e tem pra todos os go$tos. Graças a Deus que tinha outras comidinhas gostosas pra que eu pudesse tirar mais o sabor da bendita Nutella. A enjoada que vos escreve ainda provou da tortinha e aprovou.

 

Aqui, mais fotinhos das brincadeiras. O café, não dou nota porque não me acho apta para tal, mas tirando meus enjoos, é bom. rs A culpa foi minha mesmo. Quero voltar mais vezes, deu pra escutar conversas de mesas alheias que me fizeram viajar; Brincar um bocado com meus primos, me encantar com o local de novo, quiça aprender a fazer cafézinhos cheios de doçuras até me acostumar.

Indico demais!
Obrigada, Marília e Dudu! ❤

 

Casinha: “Pimos” e um agradecimento.

Tenho uns primos muito comédia que me instigam a publicar todo esse processo: Marília e Duarte, seu esposo que às vezes chamo de primo, às vezes de irmão gêmeo. O legal de andar com eles dois é que sempre estamos nos identificando e empolgando.

Acredito que tenha sido a primeira hóspede da casinha deles, e fui tão bem acolhida, que pelas áreas deles, me senti no meu próprio cantinho. Do tipo que me acordo antes de todo mundo e já vou atrás do café. E quando acordam lá estou eu com lápis de colorir, ouvindo músicas bem ambiente, lendo Cora, lendo bíblia e às vezes observando seus filhos: Megan, Jake e Pedrita. Uma cachorrinha, um gato e um gatinha, respectivamente.

Nessa de identificação, o que destoa mesmo é horário de sono, considerando que sou mais diurna do que Marília e sempre foi assim. No mais, uma sequência de Youtubers animam nossas tardes. A gente gosta de umas coisas da Jout, a gente faz maratona de Dani Noce (Precisamos ir a Islândia, inclusive, qualquer dia desse, tudo por culpa da Dani Noce), a gente desembesta nos tutoriais de maquiagem, quando estou com Marilinha, ou então Nerdologia, quando a gente pende pros gostos de Dudu. Deu pra perceber ai a sintonia da turma?  Passando pra parte dos passeios, é passeio de adulto que define a gente, tá? Uma livraria, uma exposição, Leroy, TokStok, e pronto! Estamos felizes e inspirados. Isso quando não estamos vidrados no Pintrest.

Ai você me pergunta: O que o casal tem a ver a casinha? O fato é que tanta identificação com essa minha geração pede um compartilhamento mesmo que modo à distância, e não só eles dois. Meu amigo Yan está no embalo se alegrando comigo! Nay e And Rolim são os que buzino pra saber nomes de tintas! Uma turma do bem mesmo me manda mensagens, e pasmem: Hoje mesmo no meu trabalho veio um voluntário oferecer mão de obra para a pintura da mesma. Eu fico contente só com as intenções que se expõem. Toda a alegria compartilhada, redobrada,  dicas, mãos amigas mesmo, tudo me anima.

Devo confessar que o feedback instantâneo e a empolgação deles me atingem diretamente. Tem coisa melhor do que pessoas positivas pensando junto com você? Muito obrigada, viu? Dudu bem me lembrou que relatar minhas emoções por aqui poderia ajudar outrem, e essa é a ideia!

Depois de nos últimos posts tanto falar em dependência de Deus, é de encher o coração ver como Ele usa os seus e nos dá forças para manter o ritmo de mudanças. E que ritmo!

Mas por hora resolvi dedicar esse tempinho para agradecer mesmo. Até a você que veio aqui se alegrar conosco!

Valeu, turma!